Blog Luisa Mell

Deixe o preconceito de lado e saiba as vantagens de adotar um cachorro adulto. Veja tb depoimentos emocionantes de quem adotou!

 

Amigos, infelizmente muitas pessoas ainda tem receios de adotar um cão adulto. Como se por não serem mais filhotinhos não fosem mais capaz de se apegarem ao dono. O que é uma grande bobagem!

Qd fui escrever esta matéria resolvi pedir no meu face para que pessoas que tivessem adotados cães adultos me mandassem suas histórias. Ao abrir meu email quase n acreditei! Milhares de mensagens de pessoas de todo o país contando suas histórias de amor ao adotarem cães adultos.

Qd comecei a ler os depoimentos não pude segurar as lágrimas. Uma história mais emocionante e comovente que a outra. Sério amigos, fiquei profundamente emocionada com as histórias dos meus queridos leitores. Ficou impossível selecionar só algumas para os post. Por isso resolvi que hj publicarei algumas lindas histórias e toda semana postarei algumas. Realmente velam a pena! Eu tenho certeza que assim como eu, vcs tb ficarão muito emocionados.

Bom…mas para comecar, gostaria de listar 5 vantagens de adotar um cachorro adulto:

1)  Tamanho certo: Filhotes,  podem crescer até um tamanho inesperado . Mesmo abrigos e ongs respeitáveis ​​muitas vezes não conseguem dar a informação exata pois o fato de misturar raças torna esta previsão mais difícil. Ao adotar um cão adulto  não haverá surpresas em relação ao porte. A fase de crescimento do cão já passou, seu tamanho já está definido. É possível então  saber com certeza se a casa terá espaço suficiente para ele.

2) Temperamento: Quando se adota um cão adulto já se sabe tudo sobre o seu temperamento, se é dócil com crianças, se é manso, se é agitado, hiper-ativo, se aceita outros animais. Ao contrário do filhote, que ainda está em formacão. E poderá mudar de comportamento principalmente na adolescencia.

3) Não destruirá seus sapatos! Amigos a maioria dos filhotes, como estão conhecendo o mundo roem móveis, sapatos e outras coisas! É muito raro  um cachorro adulto fazer estas coisas. Até pq já trocou os dentes( época ue os filhotes mais roem!) Tb  cães adultos tem muita facilidade para aprender. A maioria das pessoas acham que é mais fácil adotar um filhote pois aprenderá a fazer xixi, coco nos lugares certos e ser ” moldado” pelo dono. É verdade, mas os cães adultos aprendem com muita facilidade, talvez até de forma  mais rápida e tranquila que os filhotes

4) Resistência: Em canis, todos os esforços são feitos para que todos os filhotes sobrevivam e cresçam de maneira saudável. Nas ruas, os cães passam por diversos tipos de privações, além de doenças, e apenas os mais fortes, resistentes e espertos conseguem sobreviver. Por isso, no geral, o animal adotado, que passou por tudo isso, tende a ser mais resistente a algumas doenças.

5) Amor e gratidão: Um cão adulto resgatado vai mostrar a todo momento a sua gratidão.Há um vínculo especial que se desenvolve entre um cão adulto resgatado com os seus donos.Eu posso dizer isso por experiencia própria.

Este post contou com a ajuda da  veterinária MONICA ALMEIDA.

Agora acompanhem  as histórias lindas e emocionantes de quem adotou.

O primeiro depoimento de hj é da querida  Alessandra Lucena

“A Lana foi adotada em julho de 2010 na feirinha de adoção da Cobasi do Morumbi da Ong cão sem dono”. Naquele dia em especial, não fui com a intensão de adotar outro cãozinho, apesar de estar a procura de uma companhia para a Melody( outra cachorra adotada que tenho)Ao chegarmos a Cobasi, meu marido passou pelo espaço destinado aos cães e disse: “vou levar este aqui”.

Adotei uma senhorinha….(os veterinários acham que ela deve ter entre 7 a 9 anos). Para mim era uma situação nova. Teria muito a aprender.

Sabe, os cães adotados quando adultos, não destroem sapatos, não roem mesas, aprendem mais rápido mas trazem consigo uma bagagem de vida que temos que respeitar. Não temos que ensinar muitas coisas que se ensinam aos filhotes, mas temos conseguir algo muito mais difícil: conquistar  sua confiança.

Nesse tempo, a Lana teve uns desentendimentos com a Melody, porque a Melody queria brincar e ela queria apenas ficar quietinha no cantinho dela. Comecei a ficar chateada porque ela comia e dormia. Não demonstrava atitudes de alegria. A noite, procurava ficar isolada em meu quarto na caminha dela longe de toda família. Morria de medo do meu marido, sem motivo para isso.

Com o tempo as brigas com a Melody pararam. Ela começou a ficar na sala conosco, longe do meu marido (risos).

Depois de um ano, num lance repentino, a Lana pulou ao lado do meu marido pedindo carinho….pois é…foi no “tempo dela”.

Gostaria de escrever cada mudança dela: a primeira vez que pulou na minha cama para me acordar, a primeira vez que levantou a patinha sozinha para que eu colocasse a roupa no frio, o primeiro banho sem tentar fugir…Pode parecer atitudes comuns para os cães. Mas não para a Lana. De um animal medroso, apático, se transformou em “uma filhote” peralta.IMG_0281

Cabe ressaltar que ela  apresenta problemas de saúde que requerem cuidados, sequelas da doença do carrapato que teve qdo esteve nas ruas.  Mas em nenhum momento me arrependo de tê-la adotada.A felicidade que sinto ao observar cada trauma superado e cada demonstração de confiança e retribuição de carinho que ela nos dá agora, é maravilhoso. Tivemos o privilégio de ver a transformação de um animalzinho apático, medroso e desconfiado em um animal alegre,ativo e peralta…..Minha “idosinha” virou uma filhotinha muito sapeca e feliz Emoji.”IMG_0280

Amigos, confesso para vcs, qu cada vez que releio esta história choro de novo! Provavelmente esta cachorra foi muito judiada nas ruas( provavelmente por homem), e ver que com amor verdadeiro ela consguiu recuperar a alegria de viver faz meus olhos encherem de lágrimas novamente!( amigos tá difícil fazer este post, só choro!!)

Bom…vms para o segunda história de hj:

“Meu nome é Roberta.

 

E. durante minha infância, nunca pude ter um bichinho, Primeiro, porque mamãe não queria. Segundo, porque depois, papai morreu e faltava tudo, m éramos tão pobres…

 

Meu sonho era ter um cachorro.

 

Cresci. Estudei. Trabalhei… comprei um apartamentinho…

 

 

Um dia, uma quarta feira de cinzas, indo ao mercado ao lado do apartamento em que morava, o vi pela primeira vez.

 

Vagando… Triste… abandonado.

 

Magro, doente, meio que mancando… provavelmente, machucado.

 

Ainda assim, soberbo. Mas já sem esperança, sem dignidade. Cabeça baixa, rabo entre as pernas. Parecia que tentava parecer menor, não ser visto, não assustar, não ser mais maltratado. Sofrimento no corpo. Sofrimento na alma…

 

 

Não conhecia aquele tipo de cachorro. Um vira lata enorme!!! Será um dog alemão? -pensei.- Não. Não tem aquela cara quadrada…

 

Corri em casa, peguei um pote vazio de sorvete, enchi de água e fui tentando me aproximar…

 

Coloquei a água perto e chamei o bicho. Ele veio… Tomou toda a água!!! Por um momento, olhou pra mim, parecendo não me entender direito…. Eu olhei pra ele… sem me entender direito…

 

 

Corri no mercado… Comprei um saco de um quilo de ração. Qual? Qualquer uma, barata mesmo… não sabia se ele comia ração. Não sabia nada de cachorro, nem de ração… So sabia que ele devia estar com fome. Pele e osso o bicho… tadinho.

 

Levei até ele, abri o saco de ração, coloquei um pouco na tampa do pote de sorvete e testei… Ele foi se aproximando cabisbaixo, sem parecer acreditar e com uma humildade tão grande…. chegou, cheirou, experimentou… Devorou quase a tampa!  Coloquei mais. Comeu tudo….  Bebeu água… Coloquei mais um pouco… Nossa, que fome!!

 

Enquanto ele comia, eu observava as feridas profundas… o pelo caindo, moscas…  O pus e o sangue que escorriam do dedo da pata traseira. Nossa!!! Não tinha a ponta do dedo da pata traseira. Tinha sido arrancado  de alguma forma violenta e a ferida estava aberta! Ele ia morrer, se continuasse assim…

 

 

Voltei pra casa péssima. Acabada… Infeliz… Perturbada. Começou a chover… Chuva forte. Eu, na cama, sob os cobertore… Mas meu pensamento estava nele, lá fora, com frio, dor, fome, chuva… abandono.

 

Amanheceu o sábado. Não trabalhava no sábado… Olhei pela janela do apartamento. Lá estava ele, deitado num cantinho de uma calçada. Fui vê-lo. .

 

 

Acabou. Chega!…  Ele não ia mais ficar lá. Nem mais um dia! Cheguei lá e tentei resgatá-lo. Ele se recusou, desconfiado e amedrontado. Nada o fazia entrar no carro. As pessoas passavam e diziam pra eu desistir. Um problema enorme um cão daquele tamanho. E que ele já era um cachorro velho, só ia me dar problemas. Ninguém tentava ajudar, ou por medo, ou por nojo, ou achando loucura, passavam falando mal, caçoando.

 

Liguei no veterinário 24 horas lá perto e pedi pra me ajudar no resgate. Logo veio o Celso com a Fiorino  do Hospital veterinário. Ele saiu do carro e disse: Nossa!!!  Roberta, você tem certeza do que quer? Ele é muito velho e doente. Tenho que te deixar consciente da responsabilidade que você está assumindo…

 

 

Olhei pro bicho.

 

Bota no carro, vambora!!!! Pro hospital.

 

Ele tava muito anêmico, desidratado, fraco. Com sarna negra mesmo, buracos na pele com bichos, muitas áreas já sem pelos. O dedo extirpado estava muito infeccionado. Provavelmente, tudo de ruim que você falasse, ele tinha. Era um cão fila preto.

 

Deram uma ou duas semanas de vida pra ele, caso continuasse abandonado.

VIRGO

 

Aí, fui pra casa de mamãe. Era uma casa velha e muito simples, mas tinha um bom quintal. Dessa vez, não pedi… Disse que nunca tinha pedido nada, mas agora eu precisava de um cantinho em nossa casa. Em qualquer lugar… No quintal, na garagem… mas não abriria mão disso, pelo menos até recuperar o cão e dar um destino pra ele. Eu não iria deixá-lo morrer daquele jeito. Não ia. E iria cuidar dele em casa todos os dias, limparia e lavaria tudo.

 

 

Sem ter alternativa e de alguma forma misteriosa, tocada, Dona Edite, minha mãe, uma ariana das brabas, baiana arretada, deixou. Nunca gostou muito de bichos, de sujar a casa, de pelos, urina, cocô, cheiros… Ela era muito enjoada com limpeza. Sempre se orgulhou de sua casa ser um brinco.

 

Naquela noite, dona Edite dormiu e sonhou com o cachorro que nunca tinha visto… Sonhou que ele se chamaria Barão. Me contou no outro dia, com uma doçura e ansiedade que eu não esperava… Mães…

 

– Pois o nome dele será Barão, mamãe. Está batizado nosso cachorro!!

 

 

.Fui buscá-lo. Botamos ele no Verona. Chegamos na Mamãe. Saiu do carro, um pouquinho menos fraco, mas amedrontado, perdido, inseguro…

 

Minha mãe saiu…

 

-Minha nooossa!!!! Isso é um boi?????Tadinho, pele e osso. E assim mesmo, desse tamanho???

Aliás… Que tamanho vai ficar esse cachorro, meu Pai?

Quanto é que deve comer??? e…  ai Jesuisss…

-Quanto cocô ele pode fazer!!!!!?  Pelo amor!!!!

 

Um minuto depois… passado o susto…

 

-Você já deu comida pra ele, Roberta?  E os remédios??? Ele deve estar cansado. Mostra a casinha pra ele ir acostumando… -Barãão!! Oh… ele olhou… tadinho…  Mas que boi…. Quem disse pra você que isso era um cachorro? rs… Roberta… vc é doida, … rs.VIRGO

 

Como n cabia em nenhuma casinha( ele era gigante!!) , minha mãe permitiu que ele ficasse na gargem.

 

Uma noite, choveu mais forte no meio da madrugada. Só mamãe e o Barão em casa.

 

Aí, ela levantou da cama, arrumou o quartinho de bagunça, chamou o Barão e disse que a partir daquela hora aquele era o quarto dele. O quarto do Barão!!!

 

E assim, começou uma história de amor entre os dois.

 

Aquele cachorro velho, doente, triste, começava a mudar os valores de uma mulher turrona, metódica, dominante, uma alfa! Valores que contavam com mais de 60 anos.

 

Sem uma palavra. Sem muita brincadeira, sem uma gracinha. Apenas o olhar. O olhar intenso. O olhar agradecido, que toca a alma. Aquela presença maciça,  com uma intensidade tão grande, que até hoje, não encontro palavras pra descrever.

 

O nosso Barão!!!!

 

Quando chegou tinha 39 quilos.

 

Foi melhorando… Chegou nos 60 e não estava gordo! Mas era muito pra ele. A displasia estava muito avançada. O tratmos com acupuntura e ele viveu muito bem bem durante dois anos.

E assim o tempo foi passando…. rápido demais.

 

Meu anjo agora está com Deus.

Foram quase três anos. E o Barão foi o cachorro mais amado desse mundo.

Fiz o possível pra dar a ele um final de vida com amor, carinho, dignidade, cuidados e o conforto que podia. A Ele veio nos ensinar o que é amor. Amor incondicional. Mudar por amor, se desprender por amor, sair da zona de conforto por amor, viver melhor por amor, aprender por amor…

VIRGO 

 

… Depois de um ano e pouco mais ou menos, novembro de 2012, vejo uma foto, no Face, de um cão abandonado, apedrejado, largado em Guaianazes-SP, dentre tantas outras histórias tristes que infelizmente, encontramos todos os dias. Todos os dias. Vejo a foto… Aqueles olhos….

 

Aqueles olhos…

 

É…

 

Peguei minha amiga Márcia Anjinha e minha amiga Cris, meio doida, também…

-Vamos???

-Claro que vamos!!!!

 

Chegamos lá….

Guaianazes… 20 Kms de casa…

Só com uma coleirinha enforcadeira…

 

.

..E essa vem sendo outra história. De um novo amor, novas batalhas, novos desafios, novas  e enormes dificuldades, novas surpresas, novas lições, novas superações.

 

Muito, muito Bem-Vindo, meu CHICÃO!!!!

 

Como eu avisei vcs, uma história mais linda do que a outra, não é mesmo? Qd uma pessoa adota um cão de rua, ela pode não mudar o mundo, mas sem dúvida muda o mundo daquele cachorro para sempre. E como vemos nas histórias muda o seu mundo tb!Quase todas as pessoas que me escreveram relatam que se tornaram pessoas melhores depois desta experiencia. Bom..vms conhecer agora a nossa terceira e última história de hj. Nosso adotante é uma crianca!!! Confiram:

 

 

 

 

 

 

 

Meu filho sempre quis ter um cachorro… o Pedro tem hoje… oito anos de idade..Quando finalmente consegui me mudar pro meu apartamento, foi então que os pedidos do Pedro se tornaram mais intensos… pq agora eu não tinha a desculpa de estar ainda morando na casa da vovó. Já estávamos em nossa casa e nada nos impedia.

Comentei com uma amiga no trabalho que o Pedro queria um cachorro… e ela disse pq vc não adota? Tem mto cachorro precisando ser adotado… e tem filhotes também!!! Comecei a pensar na adoção depois disso. Essa minha amiga me mostrou a fanpage de uma ong.

Agora o outro passo era convencer o Pedro de que iríamos adotar um cachorro e não comprar um filhote que ele tanto pedia.

Então essa minha amiga conversou um dia com ele… e explicou pra ele que existem muitos cachorros abandonados precisando de um lar. Depois dessa conversa… todo dia ela enviava fotos dos cachorros que apareciam na fanpage… e eu mostrava as fotos para o Pedro. Ele olhava as fotos e não falava nada… Quando ela mandou a foto do Zé no meu celular e eu mostrei pro Pedro. Ele disse: Esse é o meu cachorro. Eu quero esse mãe!IMG_20130702_070425

No dia seguinte entramos em contato com a@gabimasson da ongAmigos de Sào Franscisco e conseguimos adotar nosso querido!

E de lá pra cá o Pedro e o Ze não se desgrudam mais…IMG_20130519_224256 quando precisamos sair e deixar o Ze sozinho em casa o Pedro fica super mal.E vice e versa… quando o Pedro vai brincar no play do condomínio o Ze fica deitado no sofá olhando pra porta até a hora do Pedro abri-lá e ser recebido pelo Ze super ansioso… É mto lindo ver os dois juntos… e é incrível pq hj o Pedro fala assim: Mãe não teria graça se não fosse o Zé!IMG_20130602_205638IMG_20130617_224138

 

Espero que essas linda histórias de amor inspire muitas pessoas a adotarem cães adultos. Se vc está procurando um, existem milhares aguardando uma chance na vida. Saibam que muitos morrem sem nunca terem tido uma chance de afeto nesta vida. Ai no meu canal de adocão tem vários esperando uma chance! Vc pode encontrar tb em feirinhas de adocão( meu parceiro Luiz faz uma todosos sábados no Tomaretos em Higienópolis), vc tb pode procurara no ccz da sua cidade…ou olhar melhor par os lados com o coracão aberto, é bem provável que exista um ai pertinho de vc nas ruas neste momnto a espera de um milagre. Um milagre que vc pode fazer!!!
Amigos a partir do domingo que vem acompanhem por aqui a série adotei um cachorro adulto. Sempre com depoimentos emocionantes mandado por leitores. Muito obrigada a todos que mndram suas lindas históris para mim.

 

 

Postado por
Data
6 julho, 2013
Categoria
Comentários
102 Comentários

Deixe um Comentário pelo Facebook

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

102 Comentário:Deixe o preconceito de lado e saiba as vantagens de adotar um cachorro adulto. Veja tb depoimentos emocionantes de quem adotou!

  1. Fernanda M.

    Me acabei de chorar lendo.
    Também adotei um adulto, o Nino, ele chegou faz pouco mais de 2 semanas, mas não desgruda de mim.É meu novo amor.

  2. clarice messias

    uma história mais emocionante que a outra linda mesmo ninguém consegue ler sem chorar

  3. Aline

    Oi Luisa, eu também adotei um adulto, sempre o via na rua e levava ração mas era muito arredio, ai um dia minha mãe falou, filha o cachorro que você alimenta ta desmaiado na rua porque bateram e chutaram até ele perder os sentidos. Eu sai com o coração angustiado procurando e o encontrei, pensei que os poucos metros que caminharia até em casa seriam a experiência mais triste da minha vida, ter uma vida desfalecendo nos meus braços. Comecei a cuidar dele e aos poucos ele foi se recuperando, hoje é o doce da casa, tenho dois que foram adotados desde filhotes, mimados e cheios de opinião e ele é cheio de gratidão,é muito bom chegar em casa e ver a expressão de alegria em nos ver de volta, ao dar a patinha para cumprimentar, ao pedir carinho e dar carinho, ele é um anjinho de quatro patas. Brincamos que ele é o cara da musica do Roberto Carlo: o cara que pensa em você toda hora, conta os minutos se você demora, está ao seu lado em qualquer lugar…que no meio da noite te chama pra dizer que te ama (lamber pular se aconchegar perto)…é o Bartolomeu!

  4. clarice messias

    realmente uma história mais linda que a outra ninguém vai conseguir ler sem chorar

  5. Helenise

    Aff nao paro de chorar!!!que coisa linda meu DEUS.Obrigada SENHOR por tantos corações puros,tantas almas nobres.Obrigada Luisa .

  6. Letícia Godoy

    Chorei muito!! Muito lindo!!

  7. Paula Ramos

    Lindo,emocionante! Muito importante você mostrar como adotar um cãozinho adulto pode ser maravilhoso. As histórias são inspiradoras, parabéns.

  8. Thaiz Tesch

    Meu Deus, estou aos prantos com a história do Barão e Roberta… Nao consigo parar de chorar… Que linda história de amor! Parabéns! Mas fico pensando no tanto que esse cão sofreu a sua vida inteira… Isso me deixa destruída… E me sinto muito mal por ter recolhido somente 2 bichinhos das ruas, táta, minha gata linda que levou um tiro qdo filhote e o Sortudo, um poodle que nem dava para saber a raça, mas que fugiu e morreu atropelado. Meu sonho é ter dinheiro para ter um Sítio e transformá-lo em abrigo… Luísa, qdo vc inhame programa no fds, eu sempre assistia, mas chegou em um ponto que meu esposo não queria mais que eu assistisse, pq eu ficava hoooooooooras, dias aos prantos… Nao ajudo mais, hj em dia, pq não sei controlar meus sentimentos e sofro demais com os maus tratos.
    Admiro demais o seu tblho e todas as pessoas como a Roberta que salvou o Barão!!!

  9. elizabeth

    Chorei muito, principalmente porque tenho visto varios abandonados e sofro por nao poder acolher a todos. Esta semana recohi um, cuide, levei no vet, etc e consegui um local para ele onde sera feliz.

  10. sarah

    liiindo, amei o post!

    adotei um vira-lata velhinho que tava na rua faz três anos, e hoje ele é alegria da casa!!
    adotar cachorros adultos é tudo de bom!

  11. Maria Aparecida

    Impossível não se emocionar com esses depoimentos. Todos que chegam ate a mim dizendo que quer comprar um filhote, sempre aconselho em adotar. Como moro com os meus pais ainda, eles não deixam eu adotar mais um rs mas vontade é oq não falta. Adotar é tudo bom!!

  12. Ana Christina Lima Ferreira Victorelli

    Amo os cães, de qualquer tamanho, raça, cor ,sexo, bebes ou adultos. Se pudesse teria um furgão e sairia pela cidade recolhendo todos os que estao abandonados e nunca conheceram o amor mas conhecem bem a miséria, a fome e a humilhação de ninguém quere-los. Os cães, assim como nós, foram feitos para ter e ser companhia. Tenho uma imensa compaixão por quem sofre com abandono e os cães que sao tão bons, que sao anjos enviados por Deus, jamais poderiam estar abandonados e pior, maltratados à mercê de monstros que de humanos têm apenas a aparência, mas que de verdade sao com certeza, corpos emprestados e habitados pelo demônio. Nenhum filho de Deus, ninguém que tenha temor à Ele faz o que sabemos que acontece por aí… Ontem vi no facebook a tristíssima história de uma cachorrinha de apenas quatro meses que foi estuprada, acreditem…estuprada por um demônio, que depois a largou num mato. Uma veterinária maravilhosa, foi avisada e a resgatou, mas os ferimentos eram sérios e ela foi operada e recebeu então, todo o amor que não sabia existir durante seus breves quatro mês vida. Ceci, como foi chamada pela veterinária apesar de todos os cuidados, amor, dedicação e ajuda que recebeu depois de resgatada, não sobreviveu… E virou um anjo muito especial. Depois de ler o depoimento da Dra e ver uma foto da hora que foi resgatada, tive uma recaída brutal da depressão intensa que tenho. Mas por ela, pela Ceci, resolvi hoje que vou fazer alguma coisa para que este tipo de brutalidade acabe. Desejo ardentemente que o autor desta monstruosidade sofra ate o fim dos seus dias com o demônio o deixando louco… Não consigo desejar nada diferente. Apenas oro muito para que as pessoas reconheçam e diferenciem o bem do mal, que cada ser tenha dentro de si a certeza que fomos todos feitos por um PAI maravilhoso que tudo nos deu, inclusive o livre arbitro de ouvir um anjo ou um demônio…

    • Andréia Monteiro

      Ana sinto o mesmo que vc, uma tristeza enorme e um ódio de pessoas assim.

  13. Nadia Azevedo

    Parabéns a todas essas pessoas que ajudam esses anjos de patas, essas criancinhas de pelos. Eu e meu marido choramos muito ao ler essas estórias, principalmente a do Barão.
    É muito bom saber que existem muitas pessoas que ajudam esses anjinhos. Eu tenho três criançinhas, uma tb resgatei das ruas, hj esta linda, chama-se Vitória!!!

  14. Carla Ferreira Lima

    Há 6 anos um anjo entrou em minha vida, me adotou e me fez uma pessoa melhor. Esse anjo chama-se Bella, uma adorável cachorrinha sem raça definida, adulta, que passou por todas as desventuras de um cão abandonado, tendo inclusive perdido todos os seus filhotes, após ser apedrejada pelos ditos “seres humanos”. Nossa convivência sempre foi adorável, em que pese Bella ser muito desconfiada, e com razão, vez que a maioria das pessoas que conheceu não lhe inspiravam muita confiança face o que já tinha passado. Aos poucos ela foi se aproximando, se entregando ao amor e carinho que agora ela tinha, e era verdadeiro. Estava anêmica, desnutrida, com sarna e com uma tosse incessante. Tudo foi tratado, foi castrada, mas a tosse revelou um problema cardíaco, que passamos a tratar com um veterinário especialista em problemas de coração – Bella tem o coração aumentado, sim um coração grande, em todos os sentidos. Feitos todos os exames recomendados pelo médico, Bella toma medicação diária e vive uma vida normal, é meiga, doce, carinhosa e agradecida por ter sido retirada de um abrigo com mais de 250 cães. Ela é a minha filha que amo muito, minha companheira, cúmplice, confidente e fiel escudeira. Posso garantir que uma das melhores coisas que fiz em toda a minha vida foi ter adotado a Bella (na verdade ela que me adotou). Não sei a idade dela ao certo, pois já era adulta quando nossos destinos se cruzaram, talvez ela tenha 10, 11 ou quem sabe 12 anos, mas isso é o que menos importa, pois costumo dizer que minha filhota tem a idade do amor, a idade dos anjos. A máxima é válida: ADOTAR É TUDO DE BOM!

  15. Ivani Miranda thondorf

    Sao estórias lindas de amor, difícil conter as lagrimas, só posso dizer o que sinto, eu amo esses animaizinhos maravilhosos que só nos dão alegrias, amor, nao entendo como alguém pode abandonar um animal… Nao entendo

  16. Phamella Calejon

    Chorei…chorei e chorei com tantas historias lindas e especiais!

  17. Rosa Tavares

    Adoraria que todos esses anjos pudessem encontrar em seu caminho pessoas do bem. Pessoas que os amem, que os protejam. Que Deus toque o coração dos” humanos”.
    Adotei um poodle que já está comigo há 12 anos, e há duas semanas adotei uma linda sra de 5 anos. Amo, são meus anjos da guarda.

  18. Janaina

    Oi Luiza tenho muitos cães de rua inclusive adotei um mix de labrador que já tinha 11 anos …agora já esta comigo a quase 4 anos e é um dos amores da minha vida……tenho muitas histórias para contar e admiro demais seu trabalho…que acompanha desde que começou o programa late show que infelizmente hoje esta fora do ar …..mais queria pedir lhe ajuda…..tenho muitos cães e gatos e muitos para adoção também e estou encontrando certa dificuldade em doa-los …poderia me ajudar ? Muito obrigada e que Deus lhe abençoe sempre.

  19. Maria Aparecida

    Lindas histórias, não tem como não encher os olhos de lágrimas. Também já adotei vários cachorros adultos, todos resgatados das ruas, vou enviar meu depoimento e as fotos deles para que vocês conheçam suas histórias.

  20. denise silva dos santos

    oi Luisa, curto muito o seu trabalho e amor pelos animais…..como vc eu gosto muito de bicho, tenho 3 cachorros, 2 gatos, 1 calopsita e muitas galinhas….meus filhinhos (assim como considero) foram adotados, o último foi o Amigão, um cão da raça Pitbul que adotei das ruas, na verdade eu levava comida todos os dias pra ele em um estacionamento de um Supermercado em uma avenida perigosa de Campinas, paralela a John Boyd Dunlop……ele está a uns 20 dias comigo e muito feliz, o que me levou a ficar com ele é pq nas últimas vezes em que fui levar comida a ele, na hora de eu ir embora; ele saia correndo atrás do meu carro pra me acompanhar e com isso eu temia q ele fosse atropelado e sem pensar nas consequencias de adotar um cão q todos dizem ser feroz e violento., resolvi pedir a Deus q me guiasse no que deveria ser feito,pois como já tinha duas cadelas eu temia q elas não aceitassem ele em casa, uma cadela não aceitou; porém não brigam….e como ele já estava castrado tbm foi ótimo e a adaptação dele está sendo muito boa, só implica um pouco com meus gatos e tenho q estar sempre de olho……más td bem eu tiro de letra…..quero dizer q estou muito feliz com a vinda do meu amigão e quero incentivar as pessoas q se doem mais a favor dos animais pois o amor q recebemos de volta é muito gratificante…vale a pena……um grde abraço a vc Luisa e continue com esse dom bacana no amor aos nossos amigos !!!

  21. Marilena

    Me emocionei e chorei mtoooooo, com as histórias desses anjos, mas a do Barão….meu Deus, não conseguia ler de tanto que chorava!!! Já adotei mtos cachorros, hoje tenho uma gatinha e uma cachorrinha, ambas adotadas da rua!! Sou louca por animais, não consigo viver sem eles, e passei esse amor e respeito para minhas filhas, que hoje são casadas e também possuem seus cachorros!!! Luiza, parabéns pelo seu trabalho, que Deus te abençoe !!! bjss

  22. Elma Dezen

    Não adotei um gato, mas 4.
    Três da Adote 1 Miau, da Cris Frate, e uma, a Xiquita, me achou e me chamou na rua.
    Estava chegando ao escritório e ao descer do carro, ouvi um miado insistente e comecei a procurar. Olhei debaixo do meu carro, porque poderia ter machucado o gato sem querer.
    Procurando em volta, vi um gatinho sobre o pneu de um carro, que me olhava e me chamava insistentemente.
    Coloquei minhas coisas de volta no carro e fui até onde ele estava e agachei, quando perguntei se ele estava perdido, ele desceu do carro e literalmente me escalou.
    Ela era muito pequena, me parecia desesperada, como se pedisse socorro.
    Levei-a ao veterinário e ela teve uma diarreia (como fedia) e o banco de trás tinha cocô para todos os lados.
    Ela parou de miar e dormiu.
    Chegando no veteriário, ao tirá-la do carro ela teve outra diarreia, ai no meu banco e em mim.
    O Veterinário disse que ela deveria estar com vermes que eu nunca tinha ouvido fala.
    Ela tinha entre 4 e 6 meses.
    Disse para ele se alguém quisesse adotar, poderia levá-la, desde que fosse uma pessoa de confiança.
    Ela ficou 15 dias na clínica, em quarentena, e quando ela foi liberada perguntei para o Chico se alguém havia se interessado e ele disse que não.
    Ainda bem, porque ela é a mais brincalhona e também a mais terrível dos meus 4 filhos peludos.
    Ela está com quase 2 anos é uma menina minúscula azul e branca. Muito amorosa e carinhosa, que adora dormir debaixo das minha cobertas.
    Pena não poder mostrar a foto da minha Minúscula e dos seus irmãos, 1 branco de olhos azuis surdo, Milk, 1 preto que de básico não tem nada, é a criatura mais especial e solidária que eu já conheci, a Melly, uma peludinha tímida.
    Todos na minha família amam os gatos e todos temos os que nos adotaram para nos amar.
    Comprar animais e desrespeitar a vida e ser conivente com a gravidez indiscriminada das fêmeas, dentro do que eles chamam de plantel.
    Ao adotar nossa alma fica em paz, pelo amor, carinho, dedicação que recebemos dos nossos companheiros.
    Nunca estou sozinha, porque os meus gatos estão onde eu estou, me seguem pela casa e se instalam onde eu paro.
    Ficam no banheiro esperando eu acabar de tomar banho e quando começo a me enxugar, eles saem.
    Quem explica!
    Só o Amor e Deus.

  23. DORA SANTORO

    faço das palavras thaiz tesch que eu sofro muito, vc não tem ideia, choro dias também, cada história que leio aqui são lágrimas que não param mais, pois o amor que tenho é tão grande e infinito que vcs não fazem ideia, minha filha sofre por me ver sofrer, não quer sequer, que eu conte ou mostre história tristes.

  24. Elma Dezen

    Esqueci,o meu pretinho nada básico se chama Ziggy.

  25. Muito lindas as histórias Luisa.

    Muito lindas as histórias Luisa, comprei uma casa e penso em adotar um cão também adulto.

  26. Glaci Rodrigues

    Todas as historias são lindas mas a do Barão me emocionou muito, a minha é adotada tem 13 anos e somos muito falizes

  27. Rebecca

    Luiza,não choro fácil,mas chorei do inicio ao fim!!Incrível!Só quem conhece o amor que um bichinho tem no coracao

  28. Eliete Rocha

    Nossa muito emocionante todas as historias mas a que mais me comoveu foi a do Barao nao sabia se lia ou se chorava tambem tenho uma gatinha que apareceu em casa adulta e me escolheu pra ficar com ela ja fazem oito anos quando to triste ela que fica do meu lado e peguei outra gatinha do lixo da praça que também amo muito sao meus amores te amo Luisa Mell

  29. Silvana

    Eu chorei muito porque eu também tive um cachorrinho que peguei adulto mas ele foi um cachorro que soube dar e receber amor e ele sempre me esperava para comer, parecia uma pessoa e foi muito amado por mim e por minha mãe… Quanta saudades tenho dele

  30. Maria Clara

    Luiza, vc quer acabar com meu pobre coração??? Me acabei de chorar lendo cada uma dessas histórias lindas de amor. Obrigada! Obrigada! Obrigada!

  31. Anna Patrevita

    Meu Deus, quantos depoimentos emocionantes chega arrepiar e as lagrimas caírem…. Um pouco mais de um ano eu e meu marido estávamos voltando para casa em SP, conversando sobre nossa mudança de cidade e ele me disse sua vontade de comprar um cachorro então disse que preferia adotar, pois haviam tantos cachorros abandonados foi quando, deparamos com um enorme numa rua escura, noite fria. Paramos o carro e meu marido chamou ai ele se aproximou do carro e mais uma vez meu marido chamou e abriu a porta ai aquele cão enorme sujo e com mal cheiro entrou e pela outra porta eu sai com medo, afinal era um Pitbull..rsrs….o amor entre dois iniciou a partir dali, corremos para o veterinário e nenhum queria nos atender pois ja passava das 22hrs e o medo de deixarmos ele ali e ir embora era grande. Qd uma jovem profissional de uma clinica 24hrs nos recebeu e não acreditou a submissão daquele cão pelo marido, chegou a duvidar que tínhamos achado ele naquela noite. Passou 10 dias internado para cuidar da doença do carrapato, otite e tantas outras coisas que aquele lindo tinha. Hoje ele é o nosso “Capa” nosso PitBull, nosso bebe, amigo fiel fiel fiel. Agora iniciamos uma nova etapa com a Mell tb Pitbull sua irmã adotada tb rejeitada e maltratada e hj trabalhamos com muito amor e carinho para ela conseguir sentir o amor que temos por ela e assim ela perder o medo das pessoas.

  32. Wilse Lombardi

    Em pleno sábado lendo esses depoimentos, coração apertado e lágrimas a rolar…. Fico muito feliz em saber que ainda podemos encontrar pessoas caridosas que amam seus “filhotes”… Sou mãe de 2 dogs e 4 cats é a melhor sensação do mundo saber que sou amada incondicionalmente por eles!!!

  33. sonia de fatima figueiredo

    tenho 5 cachorro e 3 gatos 2 calopicitas e um ramister que vivem em armonia todos eles forrao abandonados e rescatado por mim

  34. muito lido nossa quanto eu chorei..tambem tenho 6 adotado tenho uma de 16 anos esta bem velhinha mas é tudo de bom

    meus barabéns a todos que tenho o amor de poder adotar um bichinho são nossos anjos

  35. Jeniffer Freire

    Que lindo! Fiquei muito emocionada. Principalmente com a história do Barão.

  36. Ivete Ferreira de Andrade

    São realmente histórias muito emocionantes… eu adotei a minha Nina que chegou doente, assustada e sofrida, mas hoje é a que mais brinca e nossa felicidade é total com ela!

  37. cleusa moreira

    eu li confesso q chorei muito lindo , tds os depoimentos são lindos e eu tbm espero adotar mais tbm

  38. Suzi Silva

    Adorei lêr estas historias e a do Barão foi a que mais me emocionou. Adoro cães e de criança sempre tivemos, quando morria minha mãe já adotava outro. Hoje moro só, já pensei em comprar mas agora penso em adotar. Ainda não adotei pq fico o dia todo fora de casa, mas talvez seja mesmo por não ter aparecido um Barão na minha vida. Acredito que quando aparecer eu não pensarei duas vezes.
    Parabéns Luisa por compartilhar estas histórias.
    Bjs

  39. Haiana

    Sou apaixonada por animais e quem é não teria como não se sensibilizar com tantas histórias lindas como essas. Com o tempo aprendi que a depender das oportunidades é o animal que te escolhe. Esse ano me aconteceu um fato muito inusitado que gostaria de compartilhar com vcs. Estava indo andando à casa de uma amiga que fica uns 20 minutos de distância e nessa ida à tardezinha fui surpreendida por uma cachorrinha que saiu do meio dos matos e começou a fazer a maior festa, como se fosse meu cachorro mesmo, quando chego em casa, mas foi muita festa e eu comecei a conversar com ela, mas ainda nem sabia se era macho ou fêmea, perguntei quem ela era, o q tava acontecendo ( coisas que só nós amantes de animais fazemos pq quem vê de fora acha só loucura vc conversar com animais, rs) e senti q ela viu segurança em mim. Pois bem, continuei a caminhada e como era uma avenida, evitei ir andando pelo asfalto pq qlqr carro q passava ela sentia medo e recuava, fui falando c ela, nisso eu já tava em prantos de emoção. O fato é que ela me seguiu até a casa dessa minha amiga, chegando lá chamei a mãe dela pra ver pq sei q ela tem um bom coração. Tiramos fotos dela pra publicar nos sites e achar o dono, ela tava toda embolada cheia de carrapatos e foi lá na casa da mãe de minha amiga que descobri q era uma fêmea. No outro dia ligamos p a AMA aqui de Vitória da Conquista que é uma associação p cuidar dessas crianças abandonadas aí. Fiz um corre corre pq estava sem dinheiro pra poder mandar tosá-la e ela precisava muito ser tosada e de um banho terapêutico, e apesar da aparência ela era linda, bons dentes, estimei mais ou menos 1 ano e meio. A AMA depositou o dinheiro p a tosa e banho e ela ficou sendo chamada temporariamente de Kika. Depois da tosa uma linda mestiça de poodle cocker spaniel, apareceu e nos emocionamos mais ainda, mas como a casa de minha amiga é pequena e ela também não dispensava toda atenção que Kika precisava, mais ainda por ser uma cachorrinha de rua, divulgamos mais uma vez as fotos dela na intenção de acharmos um bom dono e foi o que logo aconteceu. Chorei muito quando ela foi embora, mas me consolava saber que ela teria um lar perfeito, cheio de amor, de espaço, de conforto, eu moro em um apartamento, não teria como criá-la, mas vontade não me faltou mesmo. Ainda escrevendo isso aqui, as lágrimas me escorrem no rosto de saudade pq depois que ela foi pra o novo lar, ainda não tive como ir visitar pq não sei onde fica a casa. Mas estou feliz em saber que ela tá bem feliz e bem cuidada, hoje o nome dela é Meg e é uma princesa dócil, serelepe e linda. N sei como por as fotos dela pra vcs verem…

  40. Irene Mendes Pigatto

    estou chorando até agora por causa da história do Barão é comovente demais e as outras tambem; eu tenho cinco cães adotados e amo todos eles, acho que sem eles não teria graça um é o Maylon,outro Xiquinho, outro Tob, a menina é a Reiry, a outra é Lolita…a familia está feliz…

  41. Gildaci Leandro

    Dos 5 animais que tenho todos foram adotados adultos, e todos vítimas do abandono, mas resolví contar aqui a história de minha Nina, uma salsichinha linda que ví há 4 anos atrás em um terreno baldio próximo de minha casa comendo lixo,e o que mais me chamou a atenção nela era justamente o fato de ser uma salsichinha pois sou apaixonada pela raça, tentei chamá-la para dar um pouco de comida mas ela era muito arredia, latia pra mim e avançava não houve nada que eu fizesse que a trouxesse até a mim , deixei pra lá entrei em casa mas a cachorrinha não saia da minha cabeça, no dia seguinte a procurei mas não a ví mais, só que a noite meu esposo chegou do trabalho e falou que havia visto ela no ponto de onibus, fiquei feliz por saber que ela estava bem, mas mesmo assim queria encontrá-la de qualquer jeito e comecei a procurá-la até que um dia voltou ao mesmo terreno baldio que eu a havia visto e estava até mais magra e judiada, mais uma vez tentei pegá-la sem sucesso e fiquei preocupada pois ela estava em cima de um formigueiro, pedí ajuda de meu filho e de minha irmã, com muita luta conseguimos pegá-la. Nossa estava muito suja e cheia de feridas por todo corpo, colocamos nela uma fucinheira para da-lhe um banho com segurança, no dia seguinte levei no veterinário que me falou que aquelas feridas eram fungos, tratamos os fungos, vermifugamos e no meio do caminho descobrimos que ela era castrada fiquei aliviada.
    A Nina se tornou o xodó da casa, só que ela era muito brava e arredia ninguém podia se aproximar que avançava, pra darmos comida colocávamos sua bacia no local e tinhamos que correr pois ela avançava, até um ano depois que á pegamos ela ainda não confiava em ninguém, mas depois de um tempo meu filho conseguiu lhe fazer um carinho e apartir daí começou a confiar no mesmo também só nele e em mais ninguém de casa, mesmo assim ficamos felizes com esse primeiro passo dela.
    Já mais ou menos com 2 anos conosco ela caiu doente do dia pra noite perdeu peso, vomitava e defecava sangue, e os veterinários não descobriam o que nossa Nina tinha.
    À levamos em uma clinida 24 horas e lá ficou internada para fazer exames pra ver se descobriam o que ela tinha, gastamos o que não tínhamos, mas saiu de lá com um diagnóstico, estava com diabetes, foi terrível a descoberta e agora? vamos dar a ela dignidade pois segundo a veterinária talvez ela nem sobrevivesse, só que a Nina sobreviveu sim graças ao nosso amor, hoje faz uso de insulina 2 vezes ao dia e come ração para cães diabéticos, infelizmente ela perdeu totalmente a visão, mas isso não é nada pois ela anda toda casa sem nenhuma dificuldade conhece toda casa e não esbarra em nada.
    Quando já contávamos com um final feliz pra nossa menina eis que um dia amanhece paralisada da cintura pra baixo, se arrastava e não conseguia mais andar, e mais uma vez eu e meu esposo gastamos o que não tínhamos com nossa menina, e veio o diagnóstico hérnea de disco e varios problemas na coluna.
    Me indicaram uma veterinária que faz acumputura em animais e ela não nos deu esperança de que nossa Nina não voltaria a andar, mesmo assim acreditávamos que ela iria superar mais essa, e antes que começassem as seções de fisioterapia nossa guerreira amanheceu andando deixando todos boquiabertos pois já faziam 15 dias que não conseguia sequer mover suas patinhas trazeiras, surpreendeu todo mundo mais uma vez, e exatamente hoje
    fazem 7 anos que está conosco quando chegou o veterinário falou que tinha mais ou menos 5 anos então nossa menina tem 12 aninhos de muita história pra contar e é a cadelaa mais feliz do mundo, continua arisca e hoje podemos dizer que ser arisca é de sua personalidade mesmo, amamos demais nossa menina e quero dizer aqui pra todos que tudo o que passamos valeu á pena pois nossa Nina é muito feliz e nos dá muitas alegrias.

  42. marlene ferreira

    Fui adotada por um montinho de pelos às 2:30 da madrugada. Deixei uma amiga em casa e ela pulou no banco do carro, rapidinho, sorrateira. Eu nem sabia o que era…olhei pro emaranhado de pelos e disse… desce… ela pulou no meu colo. Falei…hummmm… deixa eu ver o que você é primeiro… passei a mão naquele montinho cheirando a lixo, com pelos arrastando no chão. Não tinha cor. Era uma menininha. Levei pra casa, dei banho, sequei no secador, coloquei na coberta e deitou comigo. Dia seguinte veterinário, tosa completa, muitas pulgas e carrapatos sairam com os pelos. Era uma poodle. Chamei-a de Felicity. A Fefê foi minha paixão, meu amor, minha companheira, meu tudo. Como era de rua e tinha muitos carrapatos, 8 anos depois a doença a pegou. Foram dois dias de angústia, internação, mas ela me deixou. Choro todos os dias (isso tem 2 meses) de saudades da minha peluda. Nunca conheci cachorro tão dócil, tão grato, tão querido em minha vida. Quando a encontrei ela tinha uns 4 anos, segundo o vet. A ausência daquele montinho de pelos é muito dolorida. Me deixou 3 filhos, e embora eu ame todos de paixão, a Fefê era especial.

  43. Solange Pires

    Boa noite ….estou super feliz de ver tantas histórias e ao mesmo tempo emocionada com o desfecho delas.
    Também adotei e tenho 03 meninas….rsrs é uma alegria e novidades todos os dias…e fora o exercício diário. Ou seja…eles só trazem amor, alegria e gratidão.!!

  44. NANY

    eu também adotei uma cadela adulta de rua.um dia eu ia pra feira quando vi uma cadelinha pequeno porte vagando nas ruas e então quando voltei pra casa disse a minha mãe que achava que tinham abandonado uma cadela que estava muito assustada.e aos poucos ela foi aparecendo na rua onde moro e comecei a dar comida pra ela só que ela era muito assustada estava com a boca sangrando e um dente pra fora tinha sido uma pancada eu acho.certo dia consegui colocar ela pra dentro de casa ela comia sem parar e aos poucos foi se acostumando com agente de casa e depois de uns meses uma surpresa ela ja tinha vindo pra minha casa prenha e teve sete filhotes morreram 4 e ficaram 3 e advinhem ficamos com todos e já tinhamos um cão idoso de 14 anos hoje em dia ela é louca por mim e ao todos temos 5 cães não me arrependo de te-la adotado e digo a todos que se puderem adotem ao invés de comprar animais.

  45. Ní Andrade

    A história de Barão é muito tocante, principalmente, pela sensibilidade de Roberta ao transpor o preconceito e propiciar a um animal abandonado a felicidade de ser amado…

  46. Marilene M. Mendes

    Oi Luisa, ainda bem q existem pessoas de bom coração mas infelizmente tb ainda existem pessoas q nem coração tem. Eu
    gostaria muito se aqui no RJ tivesse uma Luisa Mell. Tb tenho muitas histórias p/ contar, pois sempre recolhi cães e gatos na rua, ñ q eu vá busca-los, eles me encontram e me pedem socorro e eu ñ nego. Depois vou te contar dos ultimos q. recolhi e muitas pessoas talvez nem acreditem mas tenho muitas provas. Fora os q já se foram, e os q. doei, atualmente tenho 5 cães e 2 gatos em um ap de quarto e sala. Que JESUS te dê muitos anos de vida p/ q possa continuar sua luta ainda p/ muito tempo. BJS. Marilene

  47. Marilene M. Mendes

    Oi Luisa, ainda bem q existem pessoas de bom coração mas infelizmente tb ainda existem pessoas q nem coração tem. Eu
    gostaria muito se aqui no RJ tivesse uma Luisa Mell. Tenho muitas histórias p/ contar, pois sempre recolhi cães e gatos na rua, ñ q eu vá busca-los, eles me encontram e me pedem socorro e eu ñ nego. Depois vou te contar dos ultimos q. recolhi e muitas pessoas talvez nem acreditem mas tenho muitas provas. Fora os q já se foram, e os q. doei, atualmente tenho 5 cães e 2 gatos em um ap de quarto e sala. Que JESUS te dê muitos anos de vida p/ q possa continuar sua luta ainda p/ muito tempo. BJS. Marilene

  48. Marilene M. Mendes

    Oi Luisa, ainda bem q existem pessoas de bom coração mas infelizmente ainda existem pessoas q nem coração tem. Eu
    gostaria muito se aqui no RJ tivesse uma Luisa Mell. Tenho muitas histórias p/ contar, pois sempre recolhi cães e gatos na rua, ñ q eu vá busca-los, eles me encontram e me pedem socorro e eu ñ nego. Depois vou te contar dos ultimos q. recolhi e muitas pessoas talvez nem acreditem mas tenho muitas provas. Fora os q já se foram, e os q. doei, atualmente tenho 5 cães e 2 gatos em um ap de quarto e sala. Que JESUS te dê muitos anos de vida p/ q possa continuar sua luta ainda p/ muito tempo. BJS. Marilene

  49. SILVIA REGINA DE GÓES

    adorei a história do Barão!!!!!! todas são lindas…. mais o BARÃO … DÁ A IMPRESSÃO DE ESTAR VENDO ELE ENQUANTO LIA …EMOCIONANTE E LINDA HISTÓRIA DE AMOR…ANJOS QUE C ENCONTRARAM !!!! BJUS

  50. Lenna

    Amo todos que amam e cuidam dos animais. Deus está observando…

  51. Silvana

    Realmente,não tem como não chorar,mas ainda bem que é choro de felicidade.

  52. Marisa

    Eu resgatei da rua um cão adulto. Há 3 anos ele é a minha companhia. Meu sobrinho deu o nome de Estrela. Como moro sozinha em uma casa grande ele tem um quarto pra ele e sua companheira Rosinha que é da minha irmã, mas como ela foge da casa da minha irmã passando por baixo do portão passou a morar comigo e também foi resgatada da rua e também é adulta. Amo demais eles.

  53. Maria Izabel Milagre

    Já tive vários animais, cães e gatos, todos adotados de ruas ( sem raça definida) Muitos já se foram e deixaram saudades, mas nunca filhotes, sempre mais velhos e com deficiências, como cegueira, sarna, diabetes, câncer. Mas todos foram cuidados com carinho e dedicação . Continuo tendo, hoje 8 cães e um gato, também todos de rua e adotados com idades entre 17 , 12, 10, 9 anos. Tem um que está totalmente cego, outro não fica mais em pé, é necessário ajudá-lo a fazer xixi e cocô, segurando-o em pé. Não me arrependo e eu os amos demais. Posso assegurar que aqui em minha casa eles estão seguros e o que não lhes faltam é muito amor. O amor deles por mim e pela minha mãe que tem 80 anos de idade, é imenso.

  54. Mércia Silvia André Costa

    Luiza…escrevi para vc ha algum tempo, enviei fotos da minha pitbull pois, vc pediu para quem tivesse um escrever dizer sobre, mas nunca vi nada em nenhum lugar, se vc publicou ou falou algo à respeito.Se tem alguma coisa, por favor, responda no meu email. Bjssss

    • Luisa Mell

      Fiz uma mat londa sobre pitbull!! Procura aqui. Mas tb n consegui usar todos os depoimentos ainda. Mas vou fazer novas séries de depoimentos!!bjbj j

  55. Yeda maria Caldeira

    Oi Luisa, que lindas as histórias, realmente não da pra ler sem chorar. Também tenho 3 amados que ao contrário de outras histórias em que as pessoas vão até eles,eles é que chegaram até minha porta como que pedindo ajuda. Primeiro o Preto, com anemia muito magro e hj é um sapeca levado demais… Depois a Bella, chegou no portão, entrou em todas casas vizinhas mas escolheu o meu sofá; estava grávida e teve seus filhotes fora de tempo e mortos, com certeza pelos horrores das ruas, mas hj está castrada linda, e amigona da minha mãe que tem Alzheimer e que se diverte muito com ela. E agora há uma semana chegou Bob, amedrontado, muito magro, e com uma das orelhas toda perfurada por bichos por causa de briga na rua. No primeiro banho, meu Deus que cheiro horrível, mas hoje já bem melhor com os medicamentos ministrados pela veterinária, olho para seus olhos e vejo a gratidão, meu melhor pagamento com certeza. Amo-os demais, são minha vida…

  56. maria goretti ivo

    tenho 3 cachorros que eu recolhi d rua e por momento algum eu me arrependo passos por bastate perrengue financeiro mas sempre dou um jeito e supero,eu tinha 5 caes em casa quando eu comecei a cuidar de caes na rua,muitos deles eu cuidava na rua mesmo,vermifugando,dando comida e as vezes ate dando banho de balde,ja cheguei fazer um parto,na rua,mas a mãe veio a falecer,estes trez que eu tenho so´veio p/ minha casa depois dos meus falecerem,cada um deles c/ uma historia mais triste que a outra,mas hoje em dia eu vendo eles saudaveis e felizes fico mais feliz por ter recolhido,n/ me arrependo nada, o amor deles por mim é o mesmo se eu tivesse pego eles ainda filhotes

  57. Márcia

    Não consigo parar de chorar!

  58. Veronica Bueno de Moraes Lacerda

    Caríssima,poderia contar aqui a historia de cada um dos meus 19 cães,1gatinho..17 adotados inclusive o gatinho..Mas encontrei esse depoimentos que me pus a chorar de emoção…Pode parecer coisa de criança,mas tbém acredito nisso.Que eles vão para o céu…
    ——————————————————————————-comoção
    Cadela morre e menina de quatro anos escreve para Deus
    14 de setembro de 2011 às 18:42

    Abbey, uma cadela de 14 anos, morreu em agosto de 2006. Segundo a tutora, sua filha de 4 anos, Meredith, não parava de chorar e comentar sobre a saudade que sentia de Abbey. Então, ela perguntou à mãe se poderia escrever uma carta para Deus para que, assim que Abbey chegasse ao Céu, Ele pudesse reconhecê-la.

    Diante do consentimento da mãe, ela passou a ditar as seguintes palavras, enquanto a mãe escrevia:

    “Querido Deus.

    O Senhor poderia tomar conta da minha cadela? Ela morreu ontem e está aí no céu com o Senhor. Estou com muitas saudades dela. Fico feliz porque o Senhor a deixou conosco mesmo que ela tenha ficado doente. Espero que o Senhor brinque com ela. Ela gosta de nadar e de jogar bola. Estou mandando uma foto dela para que assim que a veja, o Senhor reconheça logo que é a minha cadela. Eu sinto muita saudade dela. Meredith.”

    De acordo com a mãe de Meredith, elas colocaram a carta em um envelope com duas fotos de Abbey junto de Meredith e endereçaram a “Deus no Céu”. Depois, escreveram o próprio endereço no remetente e Meredith colou um monte de selos na frente dizendo que era necessário para que a carta pudesse chegar até o Céu.

    Divulgação

    “Naquela tarde ela colocou a carta numa caixa do correio. Dias depois ela perguntou se Deus já tinha recebido a carta. Respondi que achava que sim. “, disse a mãe.

    Passados alguns dias, quando a família estava voltando para casa, após um passeio ao Museu de História Natural, se deparou com um pacote embrulhado em papel dourado na varanda, com um cartão endereçado à Meredith em uma caligrafia desconhecida. Dentro do pacote, encontrava-se o livro escrito por Mr. Rogers, intitulado “Quando um animal de estimação morre”. Colada na capa interna do livro estava a carta de Meredith. Na outra página, estava colada uma das fotos enviadas pela menina, abaixo da inscrição “Para Meredith”. Ao virar a página, mãe e filha encontraram um bilhete cor de rosa, escrito à mão:

    “Querida Meredith,

    A Abbey chegou bem ao Céu. A foto, que você me enviou, ajudou muito e eu a reconheci imediatamente. Abbey não está mais doente. O espírito dela está aqui comigo assim como está no seu coração. Ela adorou ter sido seu animal. Como não precisamos de nossos corpos no Céu, não tenho bolso para guardar a sua foto. Assim, a estou devolvendo dentro do livro para você guardar como uma lembrança da Abbey. Obrigado por sua linda carta e agradeça à sua mãe por tê-la ajudado a escrevê-la e enviá-la a mim. Que mãe maravilhosa você tem! Eu a escolhi especialmente para você. Eu envio minhas bençãos todos os dias e lembre-se que amo muito vocês. A propósito, sou fácil de encontrar: estou em todos os lugares onde exista amor. Com amor, Deus”.

    • Luisa Mell

      Eu lembrooooooo!! Eu li esta carta no Lare Show!!!!!!!!!! Bjbj j

  59. Pryssylla Cordovil

    Oi, luisa, mais uma vez, tem a honra de deixar meu parecer sobre essas lindas histórias, nunca adotei umcão adulto, sempre foi filhote, mais com certeza se um dia acontecesse comigo ou com minha mãe, nós o amaríamos muito, e seria tratado com todo amor, carinho e dedicação, assim como com todos que já tivemos e se foram e nunca esquecemos, ficaram em nossa lembrança, memória e coração, e que bom que essas criaturas foram capazes de mudar comportamentos, corações, atitudes e mentalidades, prova que ainda há esperança, e pessoas dispostas e capazes de fazer o bem, serem bondosas e fazerem a diferença, em meio a tanta maldade, fico muito feliz e satisfeita, bjss da pry de Belém do pa, pra ti luisa, tu estais sempre em minhas orações assim, como todos que fazem o bem aos animais, boa noite.

  60. Irene M Starck

    Querida Luisa. Adotei a primeira, prá sair de uma depressão pela morte da minha mãe, a Nina, que hoje tem um ano e meio, mas veio pra casa com 3 meses, filha de mãe vira lata e pai fox paulistinha, mas que foi abandonada grávida de 8 filhotes. Até hoje rói tudo, chinelo, sapato, óculos, enfim, foi nossa primeira filhota, tudo de bom. Mudei de Santos para Serra Negra, e achei que a Nina precisava de uma companhia. Através de uma ong,GAVA, aqui em Serra, adotei uma mãezinha que foi encontrada numa estradinha de terra dentro de uma caixa de papelão com 4 filhotes, que foram logo adotados, e eu fiquei com ela, a Leca. Estava bem magrinha com berne, problemas de pele, enfim, bem judiada. Tratei e agora está bem. Quando foi feita a castração, pelo corte sairam 2 vermes enormes, dioctophyma renale, que se aloja nas vísceras do peixe e quando o animal come entra como ovo, vira uma larva no duodeno e depois de fazer um furo entra no rim direito que fica ao lado e se desenvolve dentro dele, e no final o rim acaba se rompendo causando peritonite e quase 100% do animal vir a óbito. Só que felizmente, eles ficaram dentro da cavidade abdominal da Leca e saíram através do corte. Era um casal. E agora dia 09 de julho, apesar do feriado, ela será operada novamente – laparotomia exploratória – para verificar se não tem mais. Essa parte pra mim está sendo muito preocupante, mas tenho certeza que Deus há de ajudar. Graças a Ele os dois rins dela estão normais, pois ficaram na cavidade abdominal. Mas quero deixar registrado que as duas são nossas filhotas amadas, dormem na nossa cama e são nossa alegria, minha e do meu marido. Amamos demais e aconselho que adotem sim, principalmente pela felicidade que dão pra gente, e amor incondicional. Admiro muito seu trabalho e compartilho tudo para ajudar sempre. Que Deus te força cada vez mais e te abençoe com muita saude. bjs Irene

  61. Andrea Almeida

    Adoro ler essas histórias com final muito feliz. Eu mesma acabei de adotar uma cadelinha adulta, e ela é tão grata por tudo que somos e como a tratamos, que faz gosto ver a alegria dela em relação às mínimas coisas,

  62. Amanda Elste

    Sempre convivi com cães, e nunca comprei um bichinho, eles sempre surgiram na minha vida e acabaram virando membros da minha família. Mas a minha maior história de amor, foi com um cão idoso que encontrei em frente a um super mercado, num feriado de finados… Olhei para aquele bichinho “cor de rosa” de tanta sarna, “morto” ali num lugar de tanto fluxo, pensei “Meu Deus, o bichinho morreu e está aqui jogado, sem que ninguém se importasse, quanto descaso!” Foi nesse momento que ele suspirou, então sem nem pensar, me abracei naquele cachorrinho, morrendo e com um cheiro muito forte…. Levei ele de carona em uma moto até a clinica veterinaria, e lá ele ficou uma semana… Nesse meio tempo a vet descobriu que ele era um chow chow de mais ou menos 12 anos… Nos 3 anos seguintes ele foi o meu melhor amigo, o melhor filho do mundo…Ele chorava se eu chorasse e abanava o rabinho quando me via feliz… Dormia comigo e roncava como um humano… A saudade do meu Leopoldo será eterna!!!

  63. valeria

    estou com lagrimas nos olhos por ler q existe pessoas q amam incondicionalmente tenho aqui uma gata que apareceu adulta inda lembro das minhas palavras aqui em casa crinças vcs tao vendo o que eu vejo rsrsrs entao vao lá de agua e comida e deixe ela seguir o caminho nao aguento mais me apegar a esses peludos e ve-los morrer rsrsr mais ela foi e voltou e cinco dias depois me deu de presentes 5 lindos filhotes na minha varanda rsrsr advinha quem foi o primeiro a socorrer os filhotes rsrsr meu cao rsrsr hoje ela esta castrada pq ela ficou né rsrsr e sai pra dra umas voltas contra a minha vontade pq sei como é o ser humano mais é só eu assobiar q ela vem de onde estiver como um pitbull rsrs alias ela se acha um cao rsrsr so falta latir passa o dia nos telhados e volta a noite pra dormir no canto da cama mais ela e o unico filhote que eu fiquei mis os meus dois caos sao a alegria da casa rsrs dormen todos juntos rsrsr acho q vou ter q mudar de cama rsrs

  64. Terezinha Pereira de Carvalho

    A alguns anos atrás quando passeava com meu cão na rua percebi que uma cachorrinha que apareceu de repente na minha rua, começou a nos seguir.Eu não queria que ela viesse atrás de nós, consegui despistá-la.Mais tarde quando saí pra trabalhar ela começou a me seguir, foi ai que mudei o caminho, fiz o mais difícil para que ela não conseguisse retornar.Nessa época trabalhava em uma escola como professora e ao chegar lá ela ficou paradinha no portão da escola e eu entrei.Quando terminou a aula e eu sai pra retornar p/casa percebi que ela não mais estava no portão, foi ai que pensei : acho que ela foi embora com alguma criança já que ali haviam muitas.No caminho de volta não consegui esquecê-la.Quando cheguei na esquina de casa percebi que ela estava deitadinha no meu portão.Nossa que alegria a minha.Deste dia em diante a coloquei para dentro de minha casa, levei-a ao veterinário,curei suas sarnas ,enfim ela ficou linda.Dei-lhe o nome de BINA, era toda branca com um mancha marron no rosto e uma na sua calda.O tempo foi passando e Bina então cruzou com Max meu cão e teve oito lindos filhotes (seis fêmeas e dois machos).Rapidinho consegui dar os filhotes pois sairam lindos demais.Fiquei com um casal pra mim a Kika e o Eddie Murphy.A minha querida Bina me deixou a 2 anos, ficou comigo 14 anos e posso garantir que ela foi uma benção na minha vida.Quando a peguei e levei no veterinário ele disse que ela deveria ter no máximo 3 anos, portanto quando me deixou deveria ter aproximadamente 17 anos.Sinto demais a falta dela até hoje.O ultimo filho dela , o Eddie Murphy faleceu no dia 17.07.12 com 15 anos.Eu amava demais meus cães e os amo até hoje, minha casa é cheia de fotos deles.Quem estiver lendo e estiver a oportunidade de adotar um cão que o faça sem receio,pois não há coisa mehor na vida, a Bina parecia estar me agradecendo a todo momento por tê-la tirado da rua, era muito meiga e carinhosa, era a minha benção .

  65. SANDRA FRAGA

    A 8 ANOS ATRÁZ MEUS FILHOS GANHARAM NOSSA LINDA MEL UMA MALTES COM REGISTRO E TUDO, VIVIA NO APTO, QUANDO NOS MUDAMOS PARA UMA CASA COMEÇOU A DAR VONTADE DE PEGAR MAIS UM CACHORRO, TIVEMOS A PRIMEIRA OPORTUNIDADE E NÃO EXITAMOS EM ADOTAR, VENHO A ALICE UMA LINDA CRUZA NÃO SEI COM QUE, MAIS NÃO INTERESSAVA POIS O AMOR SERIA O MESMO, DEPOIS DE 2 ANOS VENDO NO FACE ME DEPAREI COM O OLHAR MAIS MEIGO QUE JÁ VI, FOI AMOR A PRIMEIRA VISTA, ERA O MEU MENINO, SIM, COMBINADO A VINDA DELE E TUDO, DEPOIS DE CASTRADO E CURADO DO ATROPELAMENTO, JÁ CHEGANDO A HORA DE ELE VIR PARA MIM CASA, DEI A NOTICIA 2 DIAS ANTES DE ELE CHEGAR, O QUE FAZER E SÓ A FAMILIA ACEITAR E FOI COMO ESTA SENDO, MAIS NÃO TERMINOU DEPOIS DE 1 ANO APARECEU MAIS UMA INTEGRANTE DA MATILHA A NOSSA PRETA COMPRADA POR APENAS 4 REAIS DE UNS DROGADOS, POIS BEM AGORA CHEGA, NÃO POIS JÁ QUE NÃO TENHO MAIS ESPAÇO EM CASA ENTÃO SÓ ME RESTA OS DA RUA MEUS AFILHADOS PARA ME COMPLETAR E SER FELIZ!!!!!

  66. Terezinha Pereira de Carvalho

    Esqueci de comentar que meu e-mail é dedicado a eles: o nome mabiemki quer dizer : Max, Bina,Eddie Murphy e Kika.

  67. Aldanolin Vergueiro

    Sao historias lindas de amor e respeito a vida. Que Deus abencoe a todos!!!

  68. Dalva

    Adorei a história do Barão.
    Tb adotei a Mel.

  69. Soahd

    O animal de rua adulto sabe as dores da vida que já passou, e terá uma enorme gratidão pela atenção que for dado a ele.

    Lá em casa o que mais me conforta em adotar animais adultos, foi pelo fato deles terem me escolhido, todos chegaram a minha casa, devagar ele escolheram e ficaram comigo, tinha o livre arbítrio de sair a hora que desejasse, como ainda hoje, eles pedem para dá a voltinha da manha e da tardinha, eram cachorros de rua, sofridos, maltratados, e que escolheram minha casa, atualmente um sobrado sem quintal e jardim, já tive duas perdas de dois amores que já se foram, fiquei com o Peludo e a Bugga, que são tranquilos, espertos e tenho consigo interpretar bem o que eles querem, assim como eles sabem o que preciso. Vale a pena apoiar animais abandonados..eles são amigos e esperam selar esta união, basta olhar diferente para eles.

  70. maria aparecida walther

    Eu peguei uma linda cachorra na rua chamava Margarida foi a coisa mais importante na minha vida .Hoje esta morando com os anjos onde é o lugar depois que partem daqui.

  71. Fátima Teixeira

    Bom dia Luisa! É infelizmente tem (não sei como posso falar sobre essas pessoas) gente que não tem amor no coração, que maltrata os animais. Pois todos meus cachorrinhos foram de rua. A minha July estava abandonada na Radial Oeste qdo a peguei, desnutrida, já com idade avançada e com cancer. Trato essa menina como minha filha, hoje operada, e uma menininha muito feliz ao meu lado. Hoje ela tem 16 aninhos, já está comigo a 8 anos, e cheia de vida e muito alegrinha. Ela me dá maior felicidade e é minha companheira fiel. Fico muito feliz em saber que tem pessoas como voce. Só não posso ter mais alguns porque moro em um Ap pequeno. Eu sofro demais qdo vejo alguém maltratando os animais. Deus colocou esses bichinhos, para alegrar nossas vidas e provar para o ser humano que o amor existe até mesmo entre eles. Gostaria muito de enviar uma foto dela pra voce. E te digo mais, são melhores do que certas pessoas que eu conheço. Fico feliz com voce. Bjs

  72. Silma Furtado Villela

    Amei essas histórias.Eu tenho duas fêmeas e um macho que adotei, os mesmos viviam na rua. Sem um pelo, muita sarna, muito doente, hoje tem 5 anos que vive comigo,tá lindo, é muito agradecido amável e amado, é ZEQUINHA.A BANDERINHA vivia na rua,encontrei com um ferimento, uma facada,três anos comigo, é um amor.E PITUKA,está comigo há dois meses,vivia na rua.São meus filhos,tem do bom e do melhor,são todos amados e nos amam muito.Sei que depois deles passei a ver a vida diferente, mudei muito, eles me ensinaram e me ensinam que o amor é tudo na vida.Eu sou muito agradecida a eles,me ensinaram a ser uma pessoa melhor, mais tranquila,mais amave…

  73. Rosemari Carlini Ioppo

    Luisa Mell,estou aqui emocionada,chorando muito,cada história mais emocionante que a outra,todas feitas de Amor……
    Eu tbm amo animais,e adorava assistir o seu programa,uma vez te conheci pessoalmente num evento de férias na praia da Enseada,que vc apresentou,tiramos fotos com vc…te Admiro muito,sua humildade e carinho que vc tem pelas pessoas e pelos animais….Eu atualmente fui adotada por uma gatinha siames….ficou encondida,durante dois meses na minha casa,só viamos as vzs passando á noite no quintal,até que num domingo eu estava fazendo almoço,qdo ela entrou pela cozinha para comer ração do meu poodle,e a partir dai começou o nosso amor…ela era muito arisca,e eu sempre tive muito receio de gatos por causa disso,mas mesmo assim fui com cuidado,colocando ração nas minhas mãos e ela foi se aproximando,mas não pegava,eu colocava no cantinho da piscina ,aonde ela ficava muito,e eu fui me aproximando até conseguir fazer carinho nela,o meu peludinho não dava treguas para ela,pois ele nunca aceitou outro animal aqui em casa,mas ele latia muito corria atrás dela,enfim foi uma briga de cão e gato…rsrs…até que os dois resolveram se entender,mas ele quer namorar com ela,e ela disse prá ele que ela só quer amizade….rsrsrsr,ele tbm é muito bonzinho,é um idoso de 11 anos que mais tem cara de filhote ,lindo e carinhoso e obediente,enfim a gatinha tbm é muitoooooo boazinha e calma,estava magrinha com a pelagem caindo muito,agora está robusta o pelo melhorou,ela está aos poucos se acostumando com as pessoas,ela deve ter sido maltratada,pois anda como se tivesse tido algum trauma nas cadeiras,ela tem a pelagem bege e cor de chocolate e os olhos muito azuis ,fica atrás de mim o tempo todo,mas acredito que ela tenha dono,pois as vzs some,e qdo volta coloco ração e ela não come,ela enfim deu um outro sentido as nossas vidas,nos deu AMOR……Alegrias….e tornou-se amiga do meu peludo….agora ganhei mais uma filha peludinha…..o mais lindo de tudo é qdo ela e o snoopy resolvem comer juntos na mesma tigelinha…..enfim a vinda dela nos fez muito bem…..bjos á vc e muito Sucesso!!!!!

  74. Renata

    Não posso adotar um cãozinho porque meu quintal é muito pequeno porem trato de 5 cachorros de rua que ficam aqui em frete minha casa.Quando vou a padaria pela manhã eles me esperam na esquina e vem felizes da vida junto comigo pois sabem que iram receber agua limpa e fresca e comida,pão e muito carinho.
    Amo animais e não suporto que maltratem eles até ja arrumei encrenca por causa dos meus bixinhos da rua que cuido como se fossem meus.
    Ja que as pessoas não cuidam tambem não tem o direito de maltratarem aqueles que eu trato com tanto carinho.
    Se eu pudesse adotaria tds para mim mas infelizmente não tenho espeço suficiente porem tds que se aproximam de mim trato com amor,carinho e o que recebo em troca de tanta dedicação é o amor dele por mim que não ha o que pague.
    Amo animais.

  75. SOLANGE SILVA LAGO

    Eu tive a felicidade de adotar dois cães de rua.A Bebel e Lucky que amo de paixão.Foram maltratados,chegaram magros e assustados,mas, hoje estão fortes e alegres.São felizes e dão muita alegria para mim e meu marido!!!

  76. Selma Teresinha Putriche

    Nós já tínhamos 5 cachorros, 4 adotados e 4 gatos também adotados, meu marido disse que se outro animal entrasse pelo portão de casa, ele sairia de casa (não sei se brincava ou não), mas o fato que minhas filhas encontraram um cão filhote, todo comprometido com sarna, sem pelo, magro, ele estava no meio de uma rua movimentada, minha filha Isa foi lá e o tirou, daí ele voltou, tinha muito medo das pessoas, novamente ela o tirou e daí começou a seguí-la, veio até em casa, a outra filha Gabi, não queria saber do cachorro, ficou braba dele ter seguido e a Isa dar confiança,eu estava no trabalho, quando a Isa me ligou falando do cachorro, eu falei “meu Deus, teu pai vai me matar”, minha amiga Maria Lucia disse”não mande ele embora, vou ajudar a cuidar dele e arranjar alguém para doá-lo”, outra amiga disse que seu marido gostaria de adotar um cão, então pedi que deixasse na garagem e que iríamos ficar por um tempo e preparar o meu marido para receber a notícia. O cão foi tratado, o nosso amigo não veio vê-lo, ele só gosta de cão de raça,o meu marido quando o descobriu na garagem disse esbravejando” a quanto tempo ele está aqui sem eu saber”, nós explicamos que já tinha dono, o fato que o tempo passou, ele cresceu, todos aqui de casa, lógico incluindo a Gabi que não o queria e o meu marido, são loucos por ele. Assim termina minha história, aliás, nossa história, seu nome é Baby, pq é nosso bebê para sempre.

  77. Patricia Andrea Peña

    Olá!
    Eu adotei uma srd branca com marrom há 7 meses e estamos muito felizes, ela tem uns 4 anos e foi resgatada por uma alma caridosa e trazida para a clínica veterinária onde trabalho, estava muito maltratada e letárgica devido a falta de comida e a dor pelo tumor que ela tinha(TVT), foram feitas as sessões de quimioterapia e a castração, ela ficou aqui dois meses e eu me apaixonei por ela e levei para casa, é linda demais, estou apaixonada por ela e por sorte meu outro cão recebeu ela muito bem!
    Obrigada,
    Bjs,

  78. CLÉA CARIBÉ

    LER ESTAS LINDAS E HUMANAS HISTÓRIAS,FEZ REVIVER EM MIM,O SENTIMENTO DE ESPERANÇA E CRENÇA,DE QUE A HUMANIDADE NÃO ESTÁ TOTALMENTE PERDIDA.AMO DEMAIS OS ANIMAIS,TENHO UMA CADELA MARAVILHOSAMENTE AMIGA E DENGOSA,QUE AMO MAIS QUE TUDO! DEUS ABENÇÔE A TODOS QUE POSTARAM ESTAS LINDAS HISTÓRIAS! OBRIGADA SENHOR!! OBRIGADA LUISA MELL,ACOMPANHO SEU TRABALHO FAZ MUITO TEMPO.OBRIGADA A VCS QUE OLHAM COM OLHOS DE COMPAIXÃO PARA ESTES SERES QUE SÓ QUEREM DE NÓS UMA COISA:AMOR! #CHORANDOMUITO!!RSRS

  79. Ana Paula

    Oi Luisa vejo sua luta desde qdo vc tinha um programa na tv e seu exemplo me fez ver que o amor que sinto pelos animais não é nada ridiculo como as pessoas insistem em dizer…sou mae de 4 cachorros todos doados e muito amados! Meu sonho

  80. Rosangela Custódio

    Sempre resgatamos animais abandonados (na medida do possível é claro!) e penso que msm que ele fiquem pouco ou muito tempo com a gente, que soframos qdo eles partem; o tempo que eles passaram com a gente e que eles e nós fomos felizes, valeu tudo! Não podemos é sermos egoístas e não querermos sofrer qdo eles se vão e por isso não adotar outro. Lembre-se! Fará diferença para aquele que vc adotou e para vc que amou um pouco mais.

  81. juacyra moraes soares

    Há alguns anos atrás, próximo ao meu portão, apareceu uma cadela do nada e se acostumou a ficar ali. Às vezes, ela saía e voltava. Dormia no mesmo lugar. Certo dia, eu me aproximei e, confesso, com receio, mas lhe ofereci um frasco com água e ração. E ela me olhou diretamente nos olhos como quem agradecesse. Estava muito suja e magra. A minha vizinha não podia adota-la. Eu também queria, mas estava indecisa, pois além de já ter dois cães, à época estava com problemas de ordem familiar. Ela estava um pouco atordoada e era muito medrosa! O local onde residia era numa movimentada via e muito perigosa por sinal. E eu ficava preocupada com aquele animal ali, abandonado. Certo dia, ela cruzou a perigosa via e eu fiquei com o coração na mão! Ali, a minha dúvida acabou e não havia mais qualquer obstáculo! Chamei-a, abri o portão e ela entrou imediatamente. Comecei a trata-la. Levei-a na veterinária que a examinou, a vacinou, a vermifugou. Nesse interim, procurei saber de quem era a cadela e como tinha vindo parar ali. Não obtive respostas. Fiquei com ela e a chamei por Lady. Desde aquele dia que ela entrou, nunca quis sair novamente! Depois de recuperada, soube que se tratava de uma labradora bege com olhos azuis, raríssimo! Foi uma grande amiga, nunca fez menção em me agredir! Teve inúmeros filhotes e eu doei todos! Mas, já com mais ou menos nove anos, ela teve piometra e teve que operar. Mas, infelizmente, ela faleceu na mesa de operação! Foi uma grande perda, pois ela foi uma grande amiga que perdi, mas me deixou de presente seus descendentes que estão comigo até hoje! Por isso, adotem, não comprem animais! Eles lhes serão gratos eternamente!

  82. janete bittencourt

    Lindas histórias e realmente é impossivel lê-las sem vir às lágrimas. Deus abençoe o seu lindo trabalho e a todos os seres humanos que se deixam adotar por estas criaturinhas que o mundo esqueceu. Verdadeiros anjos que enchem a nossa vida de amor, um amor incondicional. Tenho dois gatos resgatados das ruas, o Claus Offe, um pretinho nada básico e meu fiel companheiro de 7 anos e meio, que resgatei num lixo, com 2 meses de idade, faminto e morto de frio devido aos dias de muita chuva, pouco pelo (só tinha olhos e orelhas) e à pouca idade para enfrentar o abandono e o Dixie, um amarelo e branco muito peludo, muito arisco, sempre desconfiado devido aos maus tratos sofridos junto com seus irmaozinhos, desde pequeninos de 2 meses de idade (sumiram antes que eu pudesse resgatá-los, sobrando apenas o Dixie). Já está comigo há 2 anos e para dizer a verdade ele foi adotado primeiro pelo meu Claus que nunca aceitou outro felino. Caso contrário aqui seria apenas um lar temporario para o Dixie até encontrar um lar de amor, como tantos outros bebês que resgatei…Säo muito amigos, apesar da diferença de idade de 5 anos, brigam às vezes pois o Dixie ainda è um menino e quer brincar a todo momento a além disto tem temperamentos diferentes. Amo muito os meus 2 filhotes.
    Há 10 dias atrás vi um pequenino malhadinho de 1 mês e 15 dias e já lutando pela sobrevivência nas ruas, enfrentando maus tratos e preconceitos. Estava tentando comer os restos de acarajé de uma baiana proximo ao meu trabalho e onde eu ia todas as tardes comprar para mim. Muito assutado e desconfiado, näo deixava ninguém se aproximar. Umas moças que estavam comendo acarajé disseram: “se passar perto de mim, eu chuto de novo”. Daí estava explicado o medo dele de pessoas. Deixei um pouco de miolo do acarajé (sem dendê) na grama mais afastado das pessoas e ele devorou… Fui para casa e decidi resgatá-lo no dia seguinte custasse o que custasse. Levei raçäo filhotes e cheguei às 16h. , antes da baiana de acarajé e dos clientes, para tentar me aproximar sem causar-lhe medo. Encontrei-o sob uma folha de flandes dormindo… Täo pequenino!!!! Passou uma senhora cristä que criticou eu estar querendo pegar aquele filhote e disse: “Cruz credo, para você quer este gato de rua feio? Melhor è um gato de raça, um ‘sianês’!” Eu lhe respondi: “Senhora, Deus fez os animais, gato, cachorro, elefante. Nós è que inventamos as raças. O que vejo è um lindo filhote de gato…” bem, mostrei a raçäo e ele se aproximou faminto. Enquanto comia, me aproximei e peguei-o e a reaçäo dele foi me morder no dedäo. Apesar da dor näo o soltei e assim consegui acalmá-lo. Pedi para uma amiga que tinha ido comigo,arranjar uma caixa numa delicatessen e coloquei ele. Ficou comigo no trabalho até a hora de ir embora para casa. Limpei seu corpinho com bucha de banho e shampoo, coloquei numa caminha quentinha todo cheiroso e ele se mostrou um gatinho amoroso, carinhoso e brincalhao. me olhava com um olhar cheio de amor que enchia meu coraçäo de ternura. Täo pequeno e já sabia retribuir com amor. Mantinha-o preso no meu banheiro pois era fujäo e ficou comigo 5 dias, pois até que consegui um adotante. Durante este tempo, mais uma vez o meu Claus acolheu um bebê. Meu Dixie näo aceitava e ficava fora da casa até a hora de dormir…
    Sei que ele está se adaptando bem ao seu novo tutor que està apaixonado por ele. E eu, saudosa do pequeno Fred, que em poucos dias deixou uma legiao de fäs…

    • juacyra moraes soares

      Parabéns! Você demonstra ter um excelente coração! Conhecem-se pessoas da forma pela qual tratam os animais, por que são indefesos! As vidas que salvamos jamais vamos nos esquecer, pois nos serviu de aprendizado e nos fazem crescer enquanto seres humanos enquanto eles, os inocentes, nos ensinam mais a cada dia! É uma troca recíproca!

  83. Nadia Zaccani

    Querida Luiza, venho acompanhando seu trabalho e seu caminho de luz salvando esses anjinhos em nossas vidas!! Eu perdi meu filho de quatro patas faz uns dois meses, e choro muito a saudade dele! Cada vez que leio essas histórias, choro e choro muito e do meu véio que viveu 15 anos comigo, mas foi tão amado e feliz com certeza! Cada vez que vejo um animal abandonado meu coração se despedaça, a vontade de pegá-lo e salvá-lo….Moro em apartamento e fico com pena de deixar um bichinho sózinho o dia inteiro, mas meus amigos dizem que o cão que está na rua, ficaria muito melhor, dentro de minha casa, sózinho mas protegido….Vou deixar meu coração falar mais alto!! Parabéns minha querida!! DEUS te proteja sempre!!

  84. maria do carmo

    Deus do céu….chorei muito com a história do Barão….e aquelas suas palavras sobre a maioria dos cães nunca ter tido a oportunidade de um afeto me doeu profundamente. É a dura realidade. Que Deus abençõe a você e a todos esses anjos que ajudam esses desafortunados.

  85. Aline Martini

    Olá! Sempre tive adoração por gatos e cachorros. Adotei a Suzi em 2007, ela já era velhinha, hj a (” petiatra” ) rsrs veterinária dela acha que ela tem uns 15 anos, ela é uma pinscher e pesa 6 kg, acho que ela tem mistura de raças por isso é obesinha rsrs. Ela é nosso xodó, tenho certeza que ela ama nós tanto quanto amamos ela, ela é muito especial, ama viajar com a gente, sabe pedir água, faz festinha qdo chegamos em casa é um grude com meu marido, dorme com a gente toda a noite, me acorda de madruga pra fazer xixi e as vezes de madrugada ela só quer correr no gramado (escolhe bem as madrugadas geladas aqui do sul)… é uma safada, apesar dela ter sido mal cuidada ela veio pra minha casa suja encardida cheia de medos, provavelmente ela ficava direto na coleira porque o pescoçinho dela era grosso e nem tinha mais pelos, tadinhaa!! Mas não vamos ficar lembrando do passado dela; Hj ela é nossa princesa amada, é o nosso pedaço de gente, hj ela é muito bem cuidada. Foi mãezinha adotiva do meu gato o bebe, tanto que ela pesa 5 kg e meio, graças ao mama (leite) que a Suzi disponibilizou quando ele era ainda um filhotinho, ganhei ele muito bebezinho, (até hj se deixar ele mama, chega babar de vontade) e a Suzi cuida dele até hj como filho dela, também tenho a Duda que é uma siamês linda, vesguinha rsrsr e tbm adotei dois de rua o Dim e o Fred… O Bebe e a Duda e a Suzi ficam fechados em casa, e os demais fora; Ficam trancados porque tenho uma vizinhança que adora maltratar então os meus ficam em casa, mas ele tem vida de rei e rainha, comem a melhor ração, tem vacininhas em dia, levo sempre na viti deles, são cuidados como muitoooo amor, não admito nem que falem qalqer coisa dos meus bichos, aquele que vai na minha casa e diz qe odeia gato logo ofereço a porta pra essa pessoa, de verdade sou grossa, minha casa é cheia de pelos. Amoooo meus gatos amooo a Suzi e somos uma família super feliz!
    Se eu pudesse teria um lugar para poder recolher todos os cachorros e gatos da rua, quando vejo um abandonado choro porque me coloco no lugar deles imaginando o quanto é triste e cruel ser abandonado. Quando posso trato todos e ainda faço carinho e converso com eles.
    Amoooo meus bichanos sz

  86. FLAVIA CRISTINA

    LUIZA,EU TAMBÉM ADOTEI UMA CACHORRINHA,HOJE ELA TEM 4 ANOS,ADOTEI ELA COM 40 DIAS,QUE ESTAVA EM UMA PRAÇA,MAS HOJE É SO ALEGRIA PRA MIM E PRA ELA ,O NOME DELA É MAGGIE CRISTINA ,EU AMO TANTO ELA E OS OUTROS BICHOS QUE ADOTEI……SE EU NÃO PAGASE ALUGUEU EU ADOTARIA MUITOS ANIMAIS ABANDONADO,MAS NÃO POSSO……

  87. MARIA INES MARTOS

    Boa noite Luisa. Peço que ajude na divulgação via facebook e no seu blog, para que esses cães adultos e presos em baias há quase 3 anos consigam um lar. O Urso e o Benjamin são os cães que apareceu no seu último programa na REDE TV e que deixou sua marca(xixi) na mesinha, rsrs. Tem duas madrinhas que estão desempregadas e a situação esta critica para conseguir manter o Urso, Benjamin e Thommy. Os outros a Maya foram capturados juntos e a madrinha e a Julci Rocha. O Toddy e Negão também estão aguardando adoção e a madrinha e a Cintia Guatelli Bersani. Contamos com sua ajuda e compreensão para que esses cães ADULTOS consigam um lar. Já que sua matéria a esse respeito de adoção de adultos aproveito a oportunidade para contar com sua ajuda. obrigada.

    AMIGOS DESABRIGADOS A MAIS DE 3 ANOS, SEM TER UMA CASA PRA CHAMAR DE MINHA… MAYA, URSO, THOMMY, BENJAMIN, TODDY E NEGÃO Estes simpáticos cães viviam em uma favela na VILA GALVÃO -SP em 2010.
    A Favela foi desapropriada e o pessoal foi obrigado a sair do local. Muitos deixaram seus animais abandonados sem terem o que comer, vivendo nos escombros da favela e no meio do lixo convivendo com ratos. Infelizmente, alguns cãezinhos não puderam ser salvos, pois não chegamos a tempo de resgatar e em busca de comida acabaram morrendo atropelados na rodovia Fernão Dias. Os que conseguiram sobreviver foram resgatados e alguns já foram adotados porém, estes não tiveram a mesma sorte. Talvez por serem cães mais idosos as pessoas os relegaram, mas o fato é que eles precisam de um lar. Então vamos compartilhar, pois a situação desses meninos esta assim: há quase 3 anos presos em baias, dias e noites, no verão ou inverno, sem ter o amor necessário à sua sobrevivência. Com urgência precisam de uma madrinha, padrinho para auxiliar com qualquer valor em suas despesas. Precisamos de ajuda e contamos com todos. Será que a triste realidade desses anjinhos vai ser acabarem suas vidas dentro de baias até o último minuto de suas vidas??? Será que não conseguem adoção somente porque não são de raça e alguns já são idosos??? Será que por isso todos acreditam que eles não possam dar amor, carinho e fidelidade e receberem o mesmo? Talvez você possa fazer a diferença na vida deles!!! Ajudem-nos a ajudar… Eles precisam e merecem um lar!!!! QUEM PUDER DAR UM LAR DEFINITIVO OU AMADRINHAR QUALQUER UM DESSES ANJINHOS DE 4 PATAS, ENTRE EM CONTATO COM OS ABAIXO RELACIONADOS!! URSO, THOMMY, BENJAMIN Denise Petersen: E-mail: depetersen@hotmail.com Lu Braz: E-mail: lu.braz33@hotmail.com Ivete D’ Angelo : E-mail: ivetedd@yahoo.com.br TODDY E NEGÃO Cintia Guatelli Bersani: E-mail: cintia@eventosconfeccoes.com.br MAYA Julci Rocha: E-mail: julcirocha@yahoo.com.br

  88. Valéria Xavier

    Me “acabei” de chorar com Roberta e Barão… tenho 3 cães que peguei na rua… minha vontade é de adotar todos… O ultimo que adotei, Juca, estava em uma situação crítica: com sarna, pele e osso, feridas sangrando e um olhar tão triste que, quando cheguei em casa com ele “desabei” a chorar, imaginado o porquê de tanto sofrimento… porque “descartam” animais como se fossem objetos que não querem mais, que não serve mais… Porque???…
    Depois do Juca, me sinto um ser humano melhor, aprendi e ainda aprendo muito com ele, todos os dias.

  89. Roberta

    Oi Luísa. Obrigada por existir, por sua belíssima história e por assumir essa sua missão de forma tão apaixonada e apaixonante… Obrigada por ter me dado o espaço pra falar do meu Barão, E por ter dado uma resumida no livro que escrevi, rs. Foi dolorido, mas muito bom falar sobre nossa história. O Bá merecia isso!! Um cara maravilhoso que eu morro de saudades! E agora, abrando as saudades com o Chicão, um outro Fila abandonado que estava em vias de ser envenenado quando peguei. Estamos juntos á seis meses. Ele é muito bravo com estranhos, mas incrivelmente doce comigo e com meus outros dois gatinhos. Todos moramos agora, que consegui um apartamento maior. O que não era possível, ao tempo do Barão. Beijo bem grande a todos. E sempre podemos fazer alguma coisinha por aquele bichinho na rua… Nesse frio, principalmente, os velhinhos sofrem tanto…Parabéns às outras histórias!!! todas emocionantes e inspiradoras!!!! Abraços!!!

    • Luisa Mell

      Querida eu que agradeco tudo que vc fez pelo barão e por ter compartilhado sua linda história comigo!!Tenho certeza que ela inspiara outras pessoas a salvarem outros animais. bjbjbj

  90. Bárbara Godoi

    Todas as histórias são lindas, todas as pessoas são iluminadas e merecem todos os meus parabéns. PARABÉNS!!! Mas a história do Barão, me deixou muito emocionada, ainda estou em lágrimas… são muito poucas as pessoas que se comovem com um cão de grande porte. Você o salvou, Roberta e com certeza, onde quer que ele esteja, estará eternamente te agradecendo… Deus te abençoe.

  91. Thamara

    Tive que esconder a cara de choro aqui no escritório depois de ler as historias…Emocionante…estou pensando mto seriamente em adotar…a quase 4 meses perdi minha maior companheira, meu maior amor, que ficou comigo 12 anos e se foi de repente. Ainda estou em processo de superação com a perda e ja morro de saudades de doar e receber esse amor puro e inestimável que só os peludos conseguem nos dar

  92. Gabriela (também conhecida como mãe do Calvin)

    Oi Luisa. Vi tantas histórias emocionantes no seu face e no seu blog e queria compartilhar também a minha, mas sobre outro ponto de vista. Reparei que muitas pessoas que querem adotar encontram-se com uma barreira para a adoção já mesmo dentro de casa. Muita gente sonha em fazer essa boa ação mas por conta de um parente que não gosta muito, ou não tem muita convicção da adoção, acaba por desistir desse ato de amor. Por isso gostaria de contar minha história. Eu sempre tive cachorro. Sempre de raça, sempre muito bem tratados, sempre mimados. Eram os amores da minha vida. O mais velhinho deles viveu 19 anos e morreu dois meses depois de eu me casar e sair de casa. Fiquei com um vazio e resolvi que era hora de adotar um cachorrinho para dar início a nova geração da família. A paixão pelo Calvin foi quase que imediata, mas quando eu o trouxe pra dentro de casa, meu marido que também gosta de cachorro não teve tanta certeza assim da adoção. Não por não gostar, mas por termos condições financeiras mais restritas, morarmos num ap minúsculo e, principalmente, por ele ser adulto. Meu marido teve muito medo das “manias” que ele podia trazer da rua. Não vou mentir que meu filho aprontou das dele. Mordeu visitas na casa em dia de jogo (estava assustado), fez xixi onde não devia (na cama da gente) e revirou as latas de lixo procurando comida mesmo tendo a melhor ração a disposição. Pra mim que sempre fui acostumada com cachorro, aquilo era nitidamente uma fase de adaptação, mas pro meu marido isso não era tão claro. Ele chegou a me questionar sobre a adoção e nesse momento, diferente de muitos depoimentos que eu vejo aqui, eu coloquei a minha opinião sobre a adoção de uma forma tão convicta que depois dessa discussão não houve mais espaço para questionamentos. Cheguei mesmo a dizer que se ele esperasse que eu ia de novo devolver aquele ser que já tinha sofrido tanto na vida, ele não tinha a mínima noção da mulher com quem ele tinha casado. Fui bastante firme! Tenho orgulho de dizer que depois da fase de adaptação, tão familiar pra mim, meu filho só faz xixi no seu tapetinho higiênico, só morde os brinquedinhos que entregamos pra ele e tá com um pelo lindo de só comer ração de qualidade. Ele teve verme na primeira semana, otite, gastei uma nota com os tratamentos mas não me arrependo. Hoje ele é saudável e o xodó da gente. E adivinha? Ele e meu marido hoje são inseparáveis! Nosso filho dorme na cama com a gente nos pés do paizinho dele. Agora, imagina se eu tivesse sido fraca no momento mais difícil? Nossa vida não estaria tão completa como está agora. Vi o que você escreveu no seu face sobre a adoção do Paçoca e me identifiquei demais. Com a diferença que eu não desisti. Falo para todos os adotantes, sejam firmes e tentem mostrar pra sua família o porque da sua paixão por essa causa. Eles com certeza te escutarão.

  93. Adriana de V. G. Yabuta

    Bom, eu já adotei vários gatos de rua, mas não quero falar da minha história. Como veterinária, trabalhando há 12 anos, as histórias mais vivas em minha memória são as mais recentes, claro, embora eu tenha dezenas a contar. Uma, bem curta, me deixou muito feliz. Um fim de tarde, quase na hora de fechar, entra na minha loja uma família. Pai, mãe, filhas e uma pequena cadela preta. Compraram roupa, casinha e um cobertor. Pediram que eu verificasse a idade dela, pois tinham adotado da rua na noite anterior. Era pequena, do tamanho do meu yorkshire. E devia ter 1,5 a dois anos. Super comportada e obediente, me disseram. sugeri a eles que contassem sua história no face, pra servir de exemplo a milhares de pessoas que só querem cães de raça e filhotes. Que bom que há gente como essa família.

    A segunda não é de um cão adulto. Uma pessoa, que hoje é minha cliente, certo dia passava por uma estrada aqui na região e viu um filhote sendo atropelado. Quem atropelou, nem olhou pra trás. Mas meu cliente parou, pôs o cão no carro e correu pra um veterinário. Ele nunca tinha tido um cão, e nem procurava por um. O cãozinho foi tratado de uma luxação, vacinado e doado. Cinco dias depois, os adotantes ligaram pro meu cliente, dizendo que não estava dando certo e que iam doá-lo pra outra pessoa. Na mesma hora ele foi buscar o filhote de volta. Desde então, há menos de seis meses, ele só tem a me contar histórias de amor gratidão e descoberta, sendo que agora, ele entende os casos que outros donos de animais lhe contavam e ele nem acreditava. Detalhe, o cão virou um bezerro, de pelo brilhante (descobrimos sarna logo a princípio), um espetáculo.

  94. Leilane Spina

    Impossível não chorar…a vida sem animal não faz sentido!

  95. Vivian Prieto

    estou com uma dúvida ………. adotei uma vira lata de rua e encontrei outro e trouxe para casa ele ta bonito bem tratado levei ele no veterinário mandei dar banho e remédio de verme, que era só isso que precisava ele chegou aqui mansinho depois que começou a ter todo carinho começou a implicar com a minha cachorra tomar a agua dela, pegar o ossinho dela, rosnar para ela querer tomar o lugar dela e parece que ele ja é bem vivido …. o que eu devo fazer ??

    • Luisa Mell

      Vc agora tem que ser firme. Agora ele está te testando! Mostre que vc é a líder da matilha. Puna qd ele rosnar para ela( broncas são suficientes) e recompense( com petisco e carinho) qd ele for gentil. Sempre que ela tiver por perto de petiscos para ele. Faça ele associa-la a coisas boas. Qlq problema sugiro que contrate um adestrador. bjbj

  96. Andréia Monteiro

    Estou em prantos, parabéns Roberta!
    Sempre quis ter cães, só pude tê-los depois que casei, meu marido ama e defende os animais. Desde de 1996 convivo com cães, atualmente tenho 6 cadelas castradas, eu peguei duas ninhadas na rua em 02/10,e 07/2010
    chegando a ficar com 14 cães adultos e filhotes tudo junto, foi difícil, mas é muito pior vc passar por eles e não fazer nada.
    LUISA VALE A PENA TBM DIZER QUE AS PESSOAS REJEITAM AS CADELAS, SEMPRE PREFEREM OS FILHOTES MACHOS!